Paragrafação e Tipos de Frases

Paragrafação
(coesão e coerência)
1)   Introdução-> a fala e também o texto escrito constituem-se não apenas numa sequência de palavras ou de frases. A sucessão de coisas ditas ou escritas forma uma cadeia que vai muito além da simples sequencialidade: há um entrelaçamento significativo que aproxima as partes formadoras do texto falado ou escrito.
Cada uma das coisas ditas estabelece relações de sentido e significado tanto com os elementos que a antecedem como com os que a sucedem, construindo uma cadeia textual significativa. Essa coesão,que dá unidade ao texto, vai sendo construída e se evidencia pelo emprego de diferentes procedimentos, tanto no campo do léxico, como no da gramática.
coesão é a manifestação linguística da coerência e se realiza nas relações entre elementos sucessivos (artigos, pronomes adjetivos, adjetivos em relação aos substantivos; formas verbais em relação aos sujeitos; tempos verbais nas relações espaço-temporais constitutivas do texto etc.), na organização de períodos, de parágrafos, das partes do todo, como formadoras de uma cadeia de sentido capaz de apresentar e desenvolver um tema ou as unidades de um texto.
Os textos em prosa, sejam eles narrativos, descritivos ou dissertativos, são estruturados geralmente em unidades menores chamadas de parágrafos. Os mesmos são identificados por um afastamento de sua primeira linha em relação à margem esquerda da folha. Possuem extensão variada. O que vai determinar sua extensão é a unidade temática, já que cada subtema abordado no texto deve possuir um parágrafo específico para seu desenvolvimento.
O parágrafo é uma unidade de composição, constituída por um ou mais de um período em que desenvolve determinada idéia central, ou nuclear, a que se agregam outras, secundárias, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela. (GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 7.ed. Rio de Janeiro: FGV, 1978, p. 203).
2) Aspectos formais-> a identificação e separação dos parágrafos é marcada graficamente por um espaço entre a margem esquerda (e não a folha) e o início do mesmo. Sugere-se que este espaço seja de no mínimo 3,0 cm ou dois dedos. Igualmente importante para sua determinação gráfica é a distância máxima em branco entre a margem direita e o final da última palavra escrita na linha que não deve ultrapassar o tamanho de três letras. O excesso de espaço entre a última palavra da frase e a margem direita pode confundir o leitor acerca da continuidade (ou não) do parágrafo além de levar o corretor a imaginar que o aluno não sabe separar corretamente as sílabas das palavras, razão pela qual optou por deixar o espaço e escrever toda a palavra na outra linha. Deve-se evitar o uso de apenas uma frase no parágrafo, pois se todo o subtema foi desenvolvido neste curto espaço; provavelmente não era fundamental ao desenvolvimento da temática central do texto, além de comumente refletir dificuldades do aluno no âmbito da pontuação.
Exemplos:
3) Aspectos materiais-> todo texto deve ser construído ao redor de um tema. A divisão do texto em parágrafos, muito mais do que representação meramente estética ou ainda estilística, reflete a subdivisão deste em temas mais restritos ou subtemas.
Exemplo: o tema geral do texto pode ser aborto e um de seus parágrafos tratar dos aspectos negativos de cunho religioso e outro dos aspectos negativos de cunho jurídico.
Percebam que no exemplo o tema geral é subdividido em parágrafos mantendo a coesão temática. Nunca salpique parágrafos no textodividindo-o a esmo; pois o aluno que temerariamente o fizer corre o risco de confundir o leitor separando fragmentos de uma mesma ideia (subtema) ou ainda levar o corretor a crer que o mesmo não conhece a função do parágrafo.


Tipos de frases e parágrafos



I Sujeito – Verbo – (Adj. Adverbial)
II Sujeito – Verbo – Objeto Direto -(Ad). Adv~b1al)
III Sujeito – Verbo – Obj. Indireto ~ (Adj. Adverbial)
IV Sujeito – Verbo – Obj. Direto – Obj. Indireto – (Adj. Adverbial)
V Sujeito – Verbo – C. Adverbial – (Adj. Adverbial)
VI Sujeito – Verbo de Ligação – Predicativo – (Adj. Adverbial)
Tipos de Frases
I  Sujeito – Verbo – (Adj. Adverbial)
II Sujeito – Verbo – Objeto Direto -(Ad). Adv~b1al)
III Sujeito – Verbo – Obj. Indireto ~ (Adj. Adverbial)
IV Sujeito – Verbo – Obj. Direto – Obj. Indireto – (Adj. Adverbial)
V Sujeito – Verbo de Ligação – Predicativo – (Adj. Adverbial)
Tipos de parágrafos
Desenvolvimento por definição:
Iniciar uma dissertação por definições pode ser uma boa ideia, porém deve-se tomar cuidado para que a definição seja correta e pertinente a tese defendida.
A gripe suína, também conhecida como influenza A, é um tipo de gripe transmitico pelo vírus H1N1 e pode causar uma série de problemas tais como …
Desenvolvimento por exemplificação:
Exemplos, além de serem de leitura interessante, têm a propriedade de tornar clara e concreta a idéia que se quer expressar. O tópico frasal pode ser desenvolvido por dois ou três exemplos representativos, ou por um só exemplo que seja especialmente detalhado. Como os exemplos, se nos forem familiares, trazem em si mesmos sua própria explicação, torna-se desnecessário explicar a idéia-tópico.
Há muito que vem sendo estudada a possibilidade de haver, no reino animal, outros tipos de inteligência alé.m da humana. Vejam, por exemplo, O golfinho. Dizem que esses simpáticos mamíferos pensam mais rápido do que o homem, têm linguagem própria e também podem aprender uma língua humana. Além disso, chegam a adquirir úlceras de origem psicológica e sofrem. stress por excesso de atividade.
Desenvolvimento por comparação e contraste:
Comparar é procurar semelhanças, contrastar é estabelecer diferenças. Tenha o cuidado de comparar ou contrastar apenas idéias pertencentes à mesma classe; é indispensável que as duas idéias tenham uma base comum. Assim, você pode comparar um técnico de futebol com um maestro, desde que consiga estabelecer entre eles uma relação que sirva de base.


A principal diferença entre escrever e falar é o tempo de que se pode dispor para fazer uma e outra coisa. Não é de estranhar, portanto, que essas atividades exijam habilidades diferentes e cheguem a produtos diferentes. Fala bem quem consegue organizar o maior número de idéias no exato momento da fala. Escreve bem quem é capaz de registrar, com precisão, clareza e organização, as idéias que pretende transmitir a seu leitor, não importando O tempo que leve para fazer isso.
Desenvolvimento por causa e efeito:
Um parágrafo desenvolvido por causa e efeito explana o tópico frasal, apresentando as causas que ocasionaram determinada situação, ou que levaram a que uma determinada afirmação fosse feita.
A prática da redaçào é muito importante para a formação profissional. Não é apenas por causa da necessidade de redigir cartas, relatórios, ofícios e, eventualmente, artigos que um agrônomo, por exemplo, precisa saber escrever. A prática da redação é fundamental porque é um excelente treinamento para a organização do raciocínio e para o desenvolvimento da capacidade de se expressar.
Desenvolvimento por fatos e detalhes:
O uso de fatos e de detalhes específicos para desenvolver o parágrafo torna o texto mais concreto e mais atraente para o leitor. É evidente que esses elementos não podem ser apresentados desordenadamente. Geralmente, é o próprio assunto que vai determinar esse ordenamento. A apresentação de fatos na ordem em que eles ocorreram no tempo é característica de parágrafos narrativos.
Nosso primeiro contato com os índiOs juruna falhou. Descíamos o Xingu e, abaixo da foz do rio Maritsauá, vimos um acampamento na praia, muito bonito. Fomos até lá e os índios fugiram em canoas. Saímos com nossos barcos a motor atrás de uma canoa com dois índios. Quando perceberam que estavam sendo seguidos, encostaram a canoa na margem e fugiram para a mata. Mas a outra canoa continuou descendo o rio e fomos atrás. Quando perceberam que não conseguiriam chegar na margem antes de nós, fugiram a nado. Por azar, o motor de nosso barco começou a falhar e encostamos numa ilha, onde passamos a noite, cercados pelos índios, que imitavam sons de passarinhos e bichos.
Desenvolvimento por análise e classificação:
Desenvolver um parágrafo por análise é dividir a idéia-tópico em partes e tratar de cada uma delas; fazê-lo por classificação é colocar em classes definidas as coisas ou as pessoas compreendidas na idéia-tópico e falar sobre cada uma em separado.
Há três espécies de “donos de livros”. Uns limitam-se a contemplá-los; acumulam-nos pelo simples prazer de ver, nas prateleiras, as extensas filas de volumes. Outros gostam apenas de falar dos livros que têm; transformam em seu assunto constante o fato de possuir talou tal obra. Há, por fim, o pequeno e discreto grupo dos que lêem seus livros.
Texto retirado da obra Curso básico de redação, dos autores Cláudio Moreno e Paulo Coimbra Guedes, ed. ática.

Arquivo do blog